LETRAS DO TREM - AS MÚSICAS DO TREM DA ALEGRIA - DISCOGRAFIA COMENTADA DISCO POR DISCO, LETRA POR LETRA

02/08/15

AMIGO PELUDO

12. AMIGO PELUDO
Duração: 04:21
Compositores: Michael Sullivan e Paulo Massadas
Solo: Amanda
Participação Especial: Vanessa

Meu ursinho do meu coração
É tão bom ir dormir com você
Você conta estórias malucas pra me adormecer
No castelo a princesa sou eu
Nesse mundo de imaginação
Cinderela sonhando acordada com seu guardião

Meu ursinho do meu coração
Com você quero sempre fingir
Que você pode ver e falar
E até me ouvir
Nosso dia é pequeno demais
Tanta coisa nem dá pra fazer
Pouca gente no mundo é feliz como eu sou com você

Ursinho amigo, peludo, veludo
Seu charme é você ser também barrigudo
Desculpe nas brigas se eu sempre te faço
De gato e sapato

Ursinho amigo peludo, veludo
Amigo do peito, pra nós vale tudo
Acorda que o sol acabou de chegar
Pra gente brincar

COMENTÁRIOS

A amizade entre uma criança e seu urso de pelúcia já havia sido tema de uma música anterior, lançada no LP de 1985, mas cantada pelo grupo Absyntho, e não pelo Trem da Alegria. Em "Ursinho Blau-Blau", essa relação era abordada sob o ponto de vista de um menino. Já em "Amigo Peludo", vemos a amizade entre criança e brinquedo a partir da óptica da menina. Em razão disso, esta música tem vocal solo de Amanda, mas ouve-se também a voz de Vanessa, cuja única aparição neste disco é creditada, no encarte do LP, como participação especial.



Vanessa já não fazia mais parte do Trem, estava em transição para uma nova fase adolescente e romântica de sua carreira, que seria retomada em 1990 com Luan, escolhido pela gravadora RCA/BMG Ariola para ser seu parceiro. Como todos sabem, ambos estouraram com o sucesso "Quatro Semanas de Amor", se casaram, e, como se costuma dizer, o resto é história...

Assim, por Vanessa já estar fora da música infantil na época em que esse disco foi feito, tudo leva a crer que "Amigo Peludo" se trata de uma música que deveria ter sido originalmente lançada no álbum anterior, mas que, por algum motivo, acabou sobrando e foi incluída neste disco.

12/07/15

O ELEFANTE E A FORMIGUINHA

11. O ELEFANTE E A FORMIGUINHA
Duração: 02:32
Composição: César Costa Fiho e Ronaldo Monteiro de Souza

Um elefante elegante
Quis dar prova de paixão
Pra uma formiguinha
Entregou seu coração
Sentado num banquinho
Foi tocar seu violão
Fez uma serenata
E só cantava essa canção

(refrão)
Vem cá, formiguinha, vem cá, formiguinha
Vem cá, quero namorar
Vem cá, formiguinha, vem cá, formiguinha
Vem cá, vem me namorar

O elefante apaixonado
Ficou brabo pra chuchu
Ao ver dona formiga
Dando bola pro tatu
Bateu com sua tromba
E fez pose de machão
Subiu no seu banquinho
E só cantava essa canção

(refrão)

Lá pelas tantas o elefante
Resolveu não mais brincar
Puxou a formiguinha
Pela mão pra conversar
Pegou o tatu-bola
E mandou pro beleléu
No buraco da formiga
Foi passar lua-de-mel

(refrão 2x)

COMENTÁRIOS

O romance entre um elefante e uma formiga é o exemplo mais extremo de amor entre dois opostos. Inspirou diversas expressões culturais, dentre as quais podemos citar a música "A Formiga e o Elefante", de Carlos Imperial, gravada por Wilson Simonal, além dos personagens Jotalhão e Rita Najura, de Mauricio de Sousa.


Mas o que chama mais a atenção nesta canção são seus compositores: César Costa Filho e Ronaldo Monteiro de Souza. Esta foi a única música do grupo de autoria desta dupla. Ronaldo Monteiro de Souza ainda compôs para o Trem da Alegria "Pumba Lê Lê" (em parceria com Prêntice e Paulo Cesar Barros), do álbum de 1988, e "Som das Palavras" (com Prêntice), do álbum de 1990.

Ambos fizeram parte do Movimento Artístico Universitário, na década de 1960, ao lado de grandes nomes da MPB como Ivan Lins, Gonzaguinha e Aldir Blanc e tiveram canções suas gravadas por Simone, Elis Regina, Alcione, Ângela Maria, Maria Creuza... e o Trem da Alegria!

E assim, contrariando os lugares comuns de que a música infantil só tinha como propósito vender e enriquecer as gravadoras, valendo-se de gritaria e futilidades descartáveis, Rubinho, Amanda e Juninho Bill tiveram o privilégio de ter em seu repertório músicas assinadas por compositores consagrados e aplaudidos pela crítica.

05/07/15

FAMÍLIA BUSCAPÉ

10. FAMÍLIA BUSCAPÉ
Duração: 04:06
Compositores: Michael Sullivan e Paulo Massadas

(refrão 2x)
Hea, hea, fala, fala
Hea, hea, fala, fala
Fala pela chaminé
Hea, hea, fala, fala
Hea, hea, fala, fala
A família Buscapé

Eu tenho uma vizinha que não para de falar
E o seu papagaio que não para de gritar
O rádio muito alto e sempre fora da estação
Alcança quase todo quarteirão

E o marido dela passa o dia a buzinar
Naquele carro velho bate, bate sem parar
Meu Deus, aquela casa é uma tremenda confusão
São mais de dez cachorros no portão

(refrão 2x)

O filho da vizinha nunca para de chorar
Só mesmo quando dorme deixa a gente descansar
Mas quando ele acorda, vira Hulk, é um horror
Batendo sem parar no seu tambor

A casa é uma bagunça, tem galinhas no sofá
Sentei até num ovo, não podia adivinhar
Porco ronca no banheiro, vaca muge no quintal
E a família engrossa no coral

(refrão 2x)

O pai dessa vizinha é bem velhinho, é o meu vovô
Só quer TV bem alto, adora filmes de terror
E toda vez que ganha o time do seu coração
Meu "vô" solta foguete de montão

Até que a minha mãe andou pensando em reclamar
É zorra o ano inteiro, discussão e blá, blá, blá
Mas nosso coração também ficou meio lelé
Amamos a família Buscapé

(refrão 2x)

COMENTÁRIOS

Em 1934, o cartunista americano Al Capp começou a publicar a série de tiras "Li'l Abner" ("Ferdinando", na versão brasileira), sobre uma família caipira de uma pequena cidade do interior, sempre às voltas com situações fantasiosas ou absurdas. As tiras foram publicadas em gibi no Brasil com o nome de "A Família Buscapé".

De carona no sucesso das tiras, publicadas até 1977, muitas outras produções satirizando a vida no campo foram surgindo. A mais bem sucedida delas, foi a série "The Beverly Hillbillies", também chamada "A Família Buscapé" na tradução em português, embora sem nenhuma ligação com os quadrinhos de Ferdinando.

O seriado, apresentado entre 1962 e 1971, conta a história de uma família simples que se torna bilionária, de um dia para o outro, ao descobrir petróleo em suas terras, e deixa a roça para viver em Beverly Hills. Ganhou uma adaptação no cinema, em 1993.



"A Família Buscapé" também foi o nome dado no Brasil ao desenho animado "The Hillbilly Bears", da Hanna-Barbera, que retratava uma família de ursos caipiras.

Depois de tantos usos do nome "família buscapé", foi com o seriado que ele se tornou mais conhecido. Assim, essa expressão passou a representar, na gíria, as pessoas que não perdem os costumes próprios da vida rural, gerando um choque de culturas e de comportamentos ao chegarem às grandes cidades.

É assim que surge a família Buscapé desta música. Aqui, os vizinhos são os peixes fora d'água. Criam galinhas, porcos e vacas dentro da casa, têm hábitos grosseiros, ouvem rádio e televisão no último volume, falam alto, brigam... não dão sossego. Tudo bastante exagerado. Não é uma visão nada simpática, mas foi a encontrada para buscar o efeito cômico necessário. E, no final das contas, são bons vizinhos.

NO AR: TREM DA ALEGRIA, UMA HISTÓRIA DE SUCESSO



CLIQUE AQUI E VEJA TODOS OS VÍDEOS DO TREM DA ALEGRIA DE NOSSO CANAL NO YOUTUBE

"Um abração e muito obrigado por essa iniciativa tão bela... esse resgate tão precioso em nossas vidas!!
Muito obrigado!!!"
LUCIANO NASSYN

"Poxa, que demais esse vídeo. Gostei bastante e matei saudade. Obrigado a todos!"
JUNINHO BILL
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...